A APSA – Administração Predial e Negócios Imobiliários S.A., associada ABMI com sede no Rio de Janeiro, completou nesta quinta-feira (1º/7/21) 90 anos de fundação. As comemorações foram iniciadas com uma live no canal de YouTube da empresa, onde será apresentada uma série de vídeos denominada “90 Anos com Você”, que reúne depoimentos de dirigentes, colaboradores, clientes e parceiros, para contar a história da APSA.

A história da APSA remonta ao ano de 1927, quando o imigrante alemão Carlos Henrique Schneider, então com 21 anos, chegou ao Brasil, em busca de uma vida melhor daquela que levava em seu país, que ainda sofria os efeitos da 1ª Guerra Mundial.

Com formação em contabilidade, Carlos trabalhou como motorista, foi sócio de uma revendedora de veículos e cuidou de vários outros negócios até obter uma oportunidade na Auxiliadora Predial, empresa que mais tarde daria origem à APSA.

Fundada em Porto Alegre (RS), no ano de 1931, por Charles Germano Luiz Voelcker, natural da capital gaúcha, Pedro Bruno Dischinger, nascido em Novo Hamburgo, e dois alemães radicados no Brasil, Friedrich Wilhelm Adam Schlander e Otto Heylmann, a empresa cuidava do financiamento de moradias, utilizando um modelo trazido da Alemanha, originalmente destinado à reconstrução daquele país no pós-guerra.

A empresa tinha o nome oficial de Auxiliadora Predial Sociedade do Crédito Real e era conhecida como Caixa Construtora do Lar Próprio por ser o primeiro consórcio imobiliário do Brasil. De tão inovadora, a ideia não poderia ficar restrita ao Rio Grande do Sul e já em 1932 foram inauguradas filiais no Rio de Janeiro, em Minas Gerais e no Espírito Santo.

Por conta do seu bom desempenho na Auxiliadora Predial, Carlos Henrique Schneider fixou-se no Rio de Janeiro para trabalhar na filial local. Com o crescimento da empresa, ela passou, também, a administrar os imóveis vagos, dando início à prática daquilo que, mais tarde, seria a operação de locações.

Quando no Rio de Janeiro foi iniciado o processo de verticalização habitacional, a Auxiliadora também percebeu uma oportunidade para iniciar novas atividades, como a de registro de empregados, cobrança e prestação de contas. Era já a origem do negócio de administração de condomínios. 

Em 1942, porém, com a eclosão da 2ª Guerra Mundial, por ser de origem alemã, a Auxiliadora foi invadida e teve seus documentos queimados na rua. Em 1944, com o mundo vivendo intensos tormentos diante de uma crise econômica sem precedentes, os sócios decidiram fechar a filial no Rio de Janeiro.

Carlo e Ronald iniciaram a 2ª geração da família Schneider à frente da

Carlos então viajou para o sul do País, e, sem qualquer garantia, convenceu os diretores a dar sequência ao negócio. Dono de uma visão pioneira, vislumbrou a oportunidade de investir em infraestrutura. A empresa tinha interesse em estar à frente da construção de alguns prédios na cidade, cujas obras haviam sido estagnadas, e tudo isso com um objetivo bem claro: entrar de cabeça no mercado de gestão condominial. 

As décadas de 1950 e 1960 foram decisivas para a empresa, em termos de estilo empresarial. Se no final dos anos 1940 eram em torno de dez os condomínios administrados e cerca de 200 os clientes em locação, em 1951 a APSA já se tornava a maior administradora condominial do país.

Carlos foi nomeado o novo diretor, convocando seu primogênito, Carlo Leonardo Schneider, então com 17 anos, para ingressar na empresa como office-boy. Poucos anos depois, seu irmão, Ronald, também passaria a fazer parte da equipe. Começava aí a segunda geração da família à frente da APSA. Hoje já está atuando na empresa a terceira geração dos Schneider.

Para saber mais sobre a história da APSA até os dias de hoje, veja o post Rumo ao futuro com a sabedoria do passado, publicado no portal Revista Síndico – Cidades&Cidades. Criada há mais de 40 anos pela APSA, como periódico impresso, a Revista Síndico transformou-se recentemente num marketplace nacional voltado ao setor condominial e à vida em grandes centros urbanos. Quadrimestralmente a revista sai em edição impressa.

Também associada à ABMI, a Auxiliadora Predial, que deu origem à APSA, mantém presença destacada no mercado imobiliário nacional. Sediada em sua cidade de origem, a capital gaúcha, a Auxiliadora Predial segue sob o comando de Ingo Voelcker e seu irmão Christian Voelcker, últimos dois executivos acionistas da família fundadora da empresa, que em 2019 passaram a integrar o Conselho de Administração, deixando a função de CEO para um profissional.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *